nho Resistente Existencial: Setembro 2004

Resistente Existencial

Extractos irónicos e provocantes acerca de política, sociedade, media, cultura e do umbigo de um desalinhado anjo caído.

quinta-feira, setembro 30, 2004

(631) Good Night Post



© Ryan Zoghlin


Desencontro

A tua lembrança me dói tanto
Que eu canto pra ver se espanto esse mal
Mas só sei dizer um verso banal
Canta você, fala em você, é sempre igual

Sobrou desse nosso desencontro
Um conto de amor, sem ponto final
Retrato sem cor, jogado aos meus pés
E saudades fúteis, saudades frágeis, meros papéis

Não sei se você ainda é a mesma
Ou se cortou o cabelo, rasgou o que é meu
Se ainda tem saudade, e sofre como eu...
Ou tudo já passou, já tem um novo amor, já me esqueceu.

Chico Buarque


(630) Páginas Soltas


   [Narração do marinheiro Ismael] "Estávamos assim deitados na cama, ora a conversar, ora a dormitar, e o Queequeg de vez em quando, afectuosamente, punha as suas pernas escuras e tatuadas sobre as minhas, e depois tirava-as, nós sentíamo-nos completamente livres e descontraídos, quando por fim perdemos completamente o sono, e sentimos vontade de nos levantar, apesar do raiar do dia ainda tardar."


HERMAN MELVILLE, Moby Dick, p. 77


Nota: foi agradável ter encontrado este pequeno trecho homoerótico quando apenas esperava ouvir falar de baleias. Infelizmente, a leitura está a ser difícil, porque a tradução é verdadeiramente má. Problemas de sintaxe, erros ortográficos, palavras em inglês (!), ausência total de revisão. Verdadeiramente escandaloso, especialmente numa colecção que se diz para os mais pobres. Eu já não volto a comprar desta colecção do Público.

(628) Para reflectir

(627) A Intoxicação mediática


   ...é um verdadeiro problema. Dois exemplos:

      1) O caso das italianas raptadas no Iraque e agora libertadas. Há umas semanas a SIC anunciou no seu jornal da noite um título parecido com o seguinte: "Italianas Assassinadas no Iraque". Só muito vagamente se dizia na peça que se tratava de uma presunção. Já na sic-notícias o facto foi apresentado de uma maneira muito mais correcta. Resultado: como a notícia perdeu carga mediática, grande parte da opinião pública ficou a pensar que as duas mulheres tinham sido mortas. De repente, descobriu-se que a presunção estava errada e foram libertadas, de certeza uma surpresa para muitos. E se não tivessem sido libertadas, o que saberiam as pessoas realmente sobre a situação, por causa do título enganoso e sensacionalista?

      2) O caso da menina assassinada pelos pais. Ao promover a revolta popular, quer organizando as notícias de forma a criar uma lógica da ineficácia das autoridades (por exemplo, anunciar que um suspeito foi posto em liberdade, apresentando o facto como algo negativo e não consequência lógica da lei), quer fazendo sucessivos directos a relatar os populares clamando por vingança e justiça popular, as televisões estão a dar importância mediática e a valorizar a justiça popular de uma maneira horrível. Horrível porque se trata de servir (ou se servir) à mesa emoções primárias, de forma acrítica e mórbida. Horrível, por todos serem cidadãos na hora de berrar "assassino" para a televisão (porque é uma glória estar em directo), e por todos se terem calado durante oito anos, incapazes de fazerem um simples telefonema anónimo em prol da pequena Joana.

   Tudo isto é selvajaria, e selvajaria promovida em directo.

quarta-feira, setembro 29, 2004

(626) Good Night Post



Sebastião Salgado

(625) A Portugal Telecom


   ...mantém, segundo o suplemento de economia do Público de 27 de Setembro, uma posição de "quase monopólio" no mercado das comunicações, liberalizando perante a lei há 5 anos. Efectivamente, a PT domina 94% da rede fixa, 81% da Internet de banda larga e 52% da rede móvel. Ao contrário do que aconteceu com a liberalização noutros países, a liberalização não provocou uma descida dos preços nem uma melhoria no serviço prestado. Basta ver que a mensalidade de telefone é mais alta em Portugal (15€) do que na Alemanha (13€). As causas? A tibieza da Anacom, a entidade que deva garantir a efectiva concorrência no sector (basta ver as repetidas queixas da Oni e, muito provavelmente, a promiscuidade entre o poder da PT e o Estado, que lava sistematicamente as mãos do assunto.

   Cá em casa tenho um exemplo prático do monopólio da PT. Estamos a instalar um serviço ADSL da Via Networks e queríamos também passar para a Tele2, para tornear a mensalidade da PT. Porém, a provedora ADSL afirmou-nos que apenas era possível activar o serviço havendo um contrato com a PT, seguramente uma imposição destes visto que não haveria nenhum problema técnico em usar a Tele2. Se isto não é um atentado à livre concorrência, então não sei o que é um.

(625) VISTO - Braindead


   Este filme de zombies é uma verdadeira obra-prima do gore e paradigma dos filmes "série b". Com pouquíssimos recursos, mas muita imaginação e ketchup, aquele que viria mais tarde a ser consagrado com a triologia "Lord of the rings", desencanta um filme do mais burlesco que há. O conteúdo é composto por personagens hilariantes, por galões de sangue e tripas no ecrã e por peripécias ao mesmo tempo assustadoras, cómicas e inverosímeis. Se eu tivesse visto este filme antes do épico tolkiano, provavelmente pensaria: o que este tipo não faria com um grande orçamento. Agora já sabemos. Especialmente para admiradores do género ou do realizador, "Braindead" é um filme de culto a não perder.

   

   Braindead, de Peter Jackson **** estrelitas (muito bom)

terça-feira, setembro 28, 2004

(623) Para Reflectir


   O Princípio de Sócrates , por Vital Moreira

Em segundo lugar, a eleição directa do líder do partido, sobretudo quando disputada, como agora, tem um evidente impacto na configuração do poder interno no partido. Faz prevalecer o factor pessoal e comunicacional dos candidatos em prejuízo das moções políticas em confronto; favorece uma espécie de regime presidencialista, que reforça a legitimidade própria do líder e a sua posição perante os órgãos colegiais representativos; e por último tende a transformar as eleições partidárias numas eleições primárias do candidato ao cargo de primeiro-ministro. Surpreendentemente, tendo em conta a tradição organizatória dos partidos socialistas, o PS é entre nós o partido que mais se apropria do modelo norte-americano de acção política, explorando a personalização da luta política, mediatizando as eleições internas e interessando nelas os cidadãos em geral e finalmente fazendo depender a selecção do líder partidário das suas capacidades para disputar a chefia do governo.

(622) S & S


   S de Suécia - Um sacerdote foi condenado a um mês de prisão depois de ter dito que a homossexualidade é causada por "poderes malignos" e considerando os homossexuais como "um tumor da sociedade". O Tribunal considerou que o direito dos homossexuais à protecção contra tais palavras está acima da liberdade religiosa do sacerdote.

   S de Singapura - O filme gay Formula17, o maior êxito de bilheteira de Taiwan, foi banido dos ecrãs de Singapura por "criar uma ideia de utopia homossexual, onde todos são homossexuais e não há problemas ou doenças envolvidas, dando assim a ideia que a homossexualidade é normal e uma progressão natural da sociedade".

(621) Os Anos 90 - II


   Alguns importantes filmes e séries de TV LGBT da última década. Anos 1993 a 1995.


1993

Filmes:
"Philadelphia", de Jonathan Demme
"And the Band Played On", de Roger Spottiswoode



1994

Filmes:
"The Adventures of Priscilla, Queen of the Desert", de Stephan Elliott


"Priest", de Antonia Bird


Séries de TV:
"Tales of the City".


1994

Filmes:
"The Celluloid Closet", de Rob Epstein

(620) Good Night Post



Gayden Morgan

(619) Para reflectir

(618) Páginas Soltas


   Pandora: "E acha que a sorte lhe vai sorrir a vida toda?"

   Corto Maltese: "Claro, minha cara...quando eu era pequeno, apercebi-me de que não tinha linha da sorte. Então, peguei na navalha do meu pai e zás! Fiz uma como queria.


in, Corto Maltese, A Balada do Mar Salgado, vol.1, p.58

(617) Visto


   Love in the time of Science - Emiliana Torrini

   

   Para descobrir: "Easy".
   Afinidades: Björk; Hooverphonic.

(616) JOSÉ SÓCRATES


   ...Venceu, como esperado, as eleições para líder do partido socialista. Uma eleição que foi diferente do habitual, pela exposição mediática, pelo combate a três, pelo novo sistema de eleição (todos os militantes). A vitória de Sócrates é a vitória do centro-esquerda, onde a palavra centro significa pragmaticamente "chegar ao poder", através de todos os meios possíveis (vejam se há uma entrevista em que um apoiante de Sócrates ou o próprio não diga a palavra vencer). A palavra esquerda não será mais que a memória honrosa mas envelhecida que apenas serve para usar como autocolante chamativo dos tradicionais eleitores do PS. Foi ainda a vitória (mais uma) da imagem sobre o conteúdo. Não é por acaso que um espectador da Sic Notícias dizia hoje num programa que Sócrates representa o "novo" e o "moderno". Se se pensar bem, Sócrates foi o único dos três a ter estado num governo - um de má memória, especialmente para os socialistas. Mas foi a ideia que passou, e passou bem.

   Foi um debate ainda mais importante no sentido em que legitima verdadeiramente esta forma de fazer política à esquerda. Esta eleição deu a Sócrates uma enorme legitimidade (porque em confronto, porque ganha com 80% dos votos), talvez a maior de sempre para um líder do partido. Em consequência, o PS afirma-se ainda mais como um verdadeiro partido de alternância no poder, descaracterizado ideologicamente. A luta política tem semelhanças com a americana, onde há um grande centrão que tudo sorve. Será que nas eleições em 2006 será assim?

domingo, setembro 26, 2004

(615) Para Reflectir


Quando o Superman se disfarça de Clark Kent, por Mário Mesquita

No nosso País, a propriedade dos meios de comunicação concentra-se em cinco grandes grupos Portugal Global (PT-Lusomundo), Impresa (Balsemão), Media Capital, Cofina e Impala. A diversidade de suportes e publicações no interior de alguns grupos, designadamente do grupo Balsemão, significa, na perspectiva de Fernando Correia, que estamos "perante estratégias comerciais dirigidas para a conquista de 'nichos de mercado', definidas em função não da pluralidade de opiniões mas sim da variedade de interesses, de níveis culturais e de gostos em relação a temáticas ou formatos por parte dos potenciais leitores". Por isso, no entender do analista, a coexistência do Expresso e da Visão no mesmo grupo empresarial explica-se pela vontade de oferecer "ao público a opção entre uma newsmagazine (...) e o tradicional broadsheet (...)" e não "de proporcionar dois pontos de vista política e ideologicamente diferentes - mesmo admitindo que o Expresso está um bocado mais à direita e a Visão um bocado mais à esquerda...".

(614) Os Anos 90 (I)...


   ...foram uma década de grandes avanços para a comunidade gay, tanto ao nível da visibilidade como na luta pelos direitos cívicos. O desenvolvimento foi de tal ordem que é estranho pensar que em 1991 a homossexualidade ainda fazia parte da lista de doenças mentais da "World Heatlh Organisation" (deixou de o ser no ano seguinte). Foi também uma altura onde o radicalismo activista explodiu (com dezenas de "outings" políticos (em 1994 a organização "OutRage!" denunciou a homossexualidade de 15 deputados ingleses!) e onde o "backlash" dos conservadores e da Igreja se fez sentir com grande violência.

   Uma das formas de obter visibilidade sempre foram os media. Durante aquela década começaram a aparecer os primeiros filmes e programas de TV dedicados à comunidade gay. Foram importantíssimos não só para estes, mas também para começar a erosão da homofobia instituída. A lista que se segue agrega alguns desses filmes e "shows", um verdadeiro baú do tesouro para pessoas que, como eu, eram crianças na altura. Hoje, os anos de 1990 a 1992.

1990

Filmes:
"Oranges Are Not Only Fruit", de Beeban Kidron;
"Portrait of a Marriage", de Stephen Whittaker;
"Longtime companion", de Norman René;
"Paris is Burning", de Jennie Livingston (documentário).


Séries de TV:
"Out On Tuesday".


1991

Séries de TV:
"Out".


1992

Filmes:
"No Skin Off My Ass", de Bruce LaBruce.

Séries de TV:
"Ab Fab".


* Este "post" é baseado no artigo "gay life in the 90's", da revista Gay Times.

(613) A Prenda








Obrigado L. & D.

(612) EU VOU



[programação]

Filmes que gostaria de ver:

"La Nina Santa"
"Le Monde Vivant"
"War"
"Before Sunset"
"10 on Ten"
"Breaking News"
"Hard Luck Hero"
"Super Size Me"


(destes deverei escolher dois ou três para ver). Os bilhetes são a 3€ e a 2€ para menores de 25 anos.

(611) P O R T F O L I O - IV


(610) Good Night Quote


"In a fear-based world, the message we're given is: the most we can hope for is to be comfortable." - Bruce LaBruce

(609)



Mike Keefe

sábado, setembro 25, 2004

(608) Um passo em frente




"A gay couple have been formally recognised as parents by the French state, setting a precedent that could eventually apply to an estimated 200,000 children living in homosexual families in France.
Carla and Marie-Laure, and their daughters Giulietta, 10, Luana, seven, and Zelina, five, have been declared one family by the French courts - the first family with parents of the same sex to be officially endorsed." [ler o resto da notícia]

(607) Diplomacia



(606) O Teste II


   O referido teste circula há imenso tempo na Internet e blogsfera. Um dia destes até o faço. Acho que até o vi recentemente, no Afixe se não estou em erro. É engraçado o jornal começar por dizer que não se deve levar este teste demasiado a sério e depois dedicarem-lhe duas páginas, em destaque e com lugar a artigo de análise. De qualquer forma, descontado o exagero na proporção, foi bem visto. Não só foi um artigo dirigido em cheio ao público-alvo do jornal, como demonstra que a influência da blogosfera continua a crescer nos jornais.

(605) O Teste I


   Pestanejei repetidamente quando vi que o Público tinha dedicado duas páginas a um teste político da Internet proposto aos candidatos a líder do partido socialista, em que se deve mostrar concordância ou discordância perante determinada afirmação política. Depois do espanto, ri e achei que ninguém leria aquilo. Mas, tenho de confessar, descobri coisas interessantes na minha leitura na diagonal (O Renas vai "gostar" disto).

Uma das últimas afirmações do teste era: "Um casal de pessoas do mesmo sexo numa relação amorosa estável não deve ser excluído da possibilidade de adoptar uma criança." Sócrates e Soares concordaram, Manuel Alegre discorda. Eis que por via indirecta fiquei a saber um pouco mais das políticas LGBT dos candidatos. Mas ainda não acabou. Logo a seguir vinha "O consumo de pornografia, envolvendo adultos de sua livre vontade, deve ser legal para a população adulta." Dos três, Sócrates foi o único a discordar, considerando portanto que o consumo de pornografia nestes moldes é ilegal (!).

(604) Sob Escuta


   Production - Mirwais

   

   Para descobrir: "Disco Science"
   Afinidades: Daft Punk; Madonna

Nota: Mirwais tem sido o produtor dos últimos álbuns de Madonna. Ouvir "Production" é encontrar as bases do actual som da "Material Girl".

sexta-feira, setembro 24, 2004

(603) David Justino


   ...deu uma entrevista a descartar o grosso das culpas no processo de colocação de professores. A culpa era da equipa que não funcionava bem. É assim que vai o nosso governo: é de tal maneira forte a lógica dos "jobs for the boys" que os ministros têm o descaramento de se desresponsabilizarem totalmente pelas pessoas que deviam chefiar e pelos processos que deviam conduzir. Por outro lado, lá começa a espiral sem fim da culpabilização alheia: tanto o ministério anterior como actual, passando pelos técnicos e pela empresa informática envolvida, ninguém tem nada a ver com o assunto e a culpa é passa de mão em mão. A culpa é de quem não coloca todos estes senhores a ser devidamente investigados. E ao contrário do que dizem alguns isso resolveria o assunto sim. Ao responsabilizar os autores deste falhanço, estaria-se a prevenir o próximo.

(602) Good Night Post



© Thomas Hoepker

(601) Jornal do Insólito




"The peace-and-love rocker formerly known as Cat Stevens was kicked out of the U.S. last night as a terror risk - four months after he was invited to meet with White House officials. The author of "Peace Train" and "Wild World" who converted to Islam was placed on the "no-fly" list and the terror watch list in May when he last visited the U.S." [ler o resto da notícia].

quinta-feira, setembro 23, 2004

(600) O Booker Prize


   ...já tem shortlist para este ano. Os livros que vão disputar a vitória são os seguintes:

Achmat Dangor - "Bitter Fruit"

Sarah Hall - "The Electric Michelangelo"

Alan Hollinghurst - "The Line of Beauty"

David Mitchell - "Cloud Atlas"

Colm Tóibín - "The Master"

Gerard Woodward - "I’ll go to Bed at Noon"

   Destaque para Alan Hollinghurst, um dos favoritos. É um escritor gay de quem já tive o prazer de ler alguns livros. Recomendo especialmente este:


(599) Para reflectir


   Debate do PS e Unanimismo do PSD , por Pacheco Pereira

No PSD vive-se um período muito diferente, de grande anomia partidária, e de um unanimismo esmagador. Tudo indica que este unanimismo se concentra no "aparelho" partidário (como no PS teria acontecido se o confronto de candidaturas não tivesse dissolvido o apoio maciço do "aparelho" a Sócrates), e é bem menor entre os militantes e os eleitores do partido. O peso deste unanimismo não é de agora, dado que a tradição de debate no PSD é diferente, em parte porque há uma cultura de autoridade interna que coexiste com uma tradição de rebelião, hoje já muito enfraquecida.

Nota: não deixa de ser assinalável como figuras menos de plástico e menos "pragmáticas" como Alegre ou Pacheco Pereira sejam cada vez mais arrumados para as gavetas indesejáveis dos partidos. Será que estes têm a força ou o desejo de mudar a situação?

   Contributos para o Debate Ideológico no PS (II) , por André Freire

Para se cumprir o desiderato da igualização das oportunidades de vida dos indivíduos, é fundamental a intervenção do Estado na educação, na ciência, na saúde, na segurança social e na regulação dos mercados. O capital privado visa o lucro e, por isso, até hoje ninguém conseguiu explicar como é que, sem um papel central do Estado nos domínios supra-referidos, se consegue atingir tal desiderato.

   Serviço Público , por Adriano Alvarez

Na noite de terça-feira, pouco passava das 20h, o ministério da Educação anunciou, para as 21h, uma conferência de imprensa com decisões sobre a matéria. A dita prelecção acabou por se iniciar pelas 21h45. (...)
É verdade que o Telejornal RTP 1 esteve em directo no local da conferência e que "esticou" o seu bloco informativo para a tentar cobrir. Só que, depois, José Rodrigues do Santos, director de informação do canal e "pivot" do Telejornal, acabou por remeter o directo para a RTPN, o canal por cabo da TV pública, como se todos os portugueses tivessem a obrigação de serem assinantes da televisão por cabo. Ficámos assim a saber que para a RTP 1, serviço público é o "Quem quer ser milionário".

(598) Habilitações


(597) Luís Nobre Guedes


...,um dos Ministros-PP, anda a tentar passar uma imagem de "justiceiro". A sua actuação nos casos da Galp e das casas na Arrábida demonstram-no. Mais do que potenciar a eficácia governativa, isto demonstra que o PP já está a apelar em cheio ao populismo visando eleições vindouras. Está a criar uma imagem de Marca. Não espanta portanto que Paulo Portas tenha dito que Nobre Guedes não deve ter medo de ser "Rambo". Hoje, o Ministro do Ambiente anunciou 50 medidas em seis meses. É o chamado método Alberto João Jardim.


PS. Esta coligação justiceira é a mesma que recusou um inquérito parlamentar para o problema das colocações dos professores. O objectivo é apenas um: evitar que os responsáveis possam ser apurados e punidos judicialmente, algo que esta solução permite e a audição na comissão parlamentar da educação não.

(596) Good Night Post


Mudança de estação

para te manteres vivo - todas as manhãs
arrumas a casa sacodes tapetes limpas o pó e
o mesmo fazes com a alma - puxas-lhe brilho
regas o coração e o grande feto verde-granulado

deixas o verão deslizar de mansinho
para o cobre luminoso do outono e
às primeiras chuvadas recomeças a escrever
como se em ti fertilizasses uma terra generosa
cansada de pousio - uma terra
necessitada de águas de sons de afectos para
intensificar o esplendor do teu firmamento
(...)

Al Berto

(595) Para reflectir

(594) Help


   Aconselhem-me um filme para eu ver no Festival Gay & Lésbico! Obrigado :)

(593) Sob Escuta


   Living in a Magazine - Zoot Woman



Para descobrir: "Holiday Home"
Afinidades: Postal Service

quarta-feira, setembro 22, 2004

(592) Uma imagem


   ...vale por mil descrições de uma casa (nova).

(591) Francisco Assis


   ...,líder da distrital do PS-Porto e apoiante de José Sócrates, dizia há dias numa entrevista que o partido precisava, para as eleições autárquicas, de listas com um grande número de independentes. Parece-me óbvio que há personalidades não militantes que devem ser aproveitadas pelos partidos, mas não me parece ser esse o objectivo (principal) enunciado nestas declarações. Este desejo de Assis vai ao encontro do mote de Sócrates "falar para todos os portugueses". Na realidade, ambas as ideias demonstram um desprendimento ideológico que é preocupante. Fala-se como se os partidos não defendessem ideias precisas dentro de um determinado quadro de valores. Isso passa a segundo plano, para dar lugar a um casting sem critérios, cujo objectivo é apenas um: reunir a melhor equipa para ganhar, ganhar, ganhar.

(590) VISTO - André Valente


   Estamos perante aquele que será, até à data, o mais interessante filme português do ano. É uma narrativa que cruza diversos temas urbanos e bem inerentes à actualidade nacional: a decadência dos espaços citadinos, as famílias em erosão, o crescimento desacompanhado das crianças, a questão da imigração, e o papel na mulher no meio de tudo isto. O fio condutor de todos estes temas é o pequeno André, que vive com uma mãe perdida na vida. O pai abandonou-os. No meio da tristeza envolvente, a tenacidade de André parece manter o seu mundo à tona.



   "André Valente" é um filme com alguns desequilíbrios. O actor-criança é verdadeiramente um achado e suporta todo o filme com a sua naturalidade e forte presença no ecrã. Porém, a mesma solidez não é partilhada pelas restantes personagens, nomeadamente a mãe, também muito presente. A fotografia de Rui Poças é bastante boa e Catarina Ruivo demonstra vitalidade na condução das cenas. O filme contém cenas de grande impacto emocional e outras bastante cómicas. Contudo, nem sempre há uma verdadeira pertinência do que nos é mostrado. Algumas cenas parecem existir apenas para a criança brilhar. Apesar disso, creio que eu e as três pessoas que viram esta sessão no Alvaláxia (estou fascinado com este complexo de cinemas!) não deram o seu tempo por perdido. "André Valente" é um bom filme.

   André Valente, de Catarina Ruivo - *** estrelitas (bom)

(589) Good Night Post

(588) Jornal do Insólito




"A Malaysian woman has broken a world record by enduring 32 days enclosed in a glass box with 6,069 scorpions, suffering seven stings in the process, her sponsor said today."
[ler o resto da notícia]

terça-feira, setembro 21, 2004

(587) Go Kerry Stop Bush


(586) A Ministra da Educação


...decidiu avançar para a colocação manual de professores.

   Sobre isso tenho a dizer o seguinte:

      1 - A empresa que criou o programa informático que agora soçobrou ganhou um concurso. Se é assim tão má, como o ganhou? Terá isso alguma coisa a ver com ter na sua administração dois ex-ministros do PSD? Investigue-se. Certo é que os erros deste processo começaram aqui.

      2 - Este processo começou em Fevereiro (até na publicação da lei houve atrasos). Parece impossível, mesmo com os erros imediatos e prolongados durante meses que não tenha havido uma solução pensada para se algo corresse mal (por exemplo, fazer paralelamente esta colocação manual ). Este erro é exclusivamente político.

      3 - As más decisões continuaram quando a nova Ministra entrou em funções. Anunciou datas que não foram cumpridas, ou seja, não se soube aconselhar bem, e, por exemplo, não teve a argúcia de procurar informações independentes. Agora faz o que os sindicatos reclamavam há meses.

      4 - É lamentável para um Governo que defende o rigor e o mérito tentar minimizar o facto de um terço das escolas ainda não ter aberto.

      5 - Esta Ministra voltou a anunciar uma data, pela TV, como é timbre deste Governo. Pelo que se passou, não confio nela. Espero que o meu mau pressentimento não se cumpra.

      6 - Fazer este processo manualmente seria talvez a única saída. Mas é um falhanço total. Comprou-se um programa de centenas de milhares de contos e agora vão-se fazer as contas à mão. Por tudo isto, esta Ministra, assumindo os seus erros e do Governo anterior (são ou não continuidade?), deverá apresentar a sua demissão.

segunda-feira, setembro 20, 2004

(585) Outros Olhares

.

Patricia S. Levey

(584) Corto Maltese nas bancas

.
...Começam hoje a ser vendidos com o Público as BD de Corto Maltese. São álbuns históricos a um preço bastante acessível (4€). Será assim todas as segundas-feiras, durante 16 semanas. A não perder.
.


.
Informações completas sobre a BD e sobre a coleção aqui.

(583) Roupa Velha (das notícias)

.
Dois artigos de ontem do Público chamaram-me a atenção:
.
...Primeiro, uma reportagem sobre homossexuais em Lisboa, com entrevistas a vários activistas LGBT. É uma espécie de roteiro gay e diagnóstico dos níveis de tolerância da cidade . A determinada altura um entrevistado diz "A Lisboa acorrem os 'gays' do resto do país porque não suportam a ostracização". Foi estranho ler isto no meu dia de chegada, porque esta foi uma das razões que me levou a mudar para cá (dizer "cá" ainda é estranho"). Vale a pena ler.
.
...Segundo, esta entrevista a Ammar Abdulhamid (escritor e comentador político sírio), onde este afirma que o Islão não pode "pedir ao mundo respeito" enquanto mantém perante ele "uma atitude de ódio. O seu pensamento baseia-se em três pontos: o islão está dominado por uma visão medieval que urge actualizar face à evolução do mundo; o Ocidente não tem sabido perceber que a sociedade muçulmana estagnou durante séculos e tem dificuldades em aceitar a modernidade como um todo, de um dia para o outro. Assim, a arrogância ocidental tem dificultado essa evolução. Finalmente, o Islão tem de pensar na imagem que transmite para o exterior e começar a promover a modernização de dentro para fora. Por outro lado, o resto do mundo deverá apoiar as organizações que promovem a melhoria do sistema de valores muçulmanos. Nem mais!

(582) Iraq In a Bubble

.

Mike Lane

sábado, setembro 18, 2004

(581) Post de Mudança #2


   Na nova casa não terei imediantamente Internet de banda larga, pelo que continuarei a alimentar o blog, mas de uma forma mais compacta.

   Vai ser dura a viagem Aveiro-Lisboa. O que vale é que vou ter esta beldade à minha espera.


J.

(579) A Anedota*

(578) TV


(577) Blogo Noticioso


   I - Transportes Públicos Mais Caros em Outubro - Os preços serão indexados ao valor do petróleo e revistos de três em três meses. A primeira subida será cerca de 3%, representado, para os passes sociais, um aumento de cerca de 1€. Numa primeira análise, nada a obstar. Porém, será importante garantir através de métodos eficazes e transparentes que os preços também serão corrigidos para baixo quando o petróleo baixar.

   II - Faltam Observadores Internacionais nas Presidenciais Afegãs - Construir a democracia também é levar a cabo estas tarefas. Será que vamos assistir ao mesmo no Iraque, daqui a uns anos?

   III - Médicos do Norte Denunciam "Pressões" para Prescreverem Menos Exames - Seja só fumo ou mais que isso, é vital perceber uma coisa: um negócio cai sempre na tentação de pensar mais no lucro do que nos clientes. Os hospitais S.A. não são excepção. Para quando uma entidade independente que fiscalize a sua actuação e preste contas aos cidadãos?

   IV - Ministério demite responsáveis do atraso no início do ano lectivo - Os funcionários são contratados e orientados pelos responsáveis políticos. É impossível que não haja responsabilidades políticas a apurar.

   V - Festival IndieLisboa 2004 arranca na próxima semana - Já aqui falei disto, mas importa repetir. De 24 de Setembro a 2 de Outubro no cinema São Jorge, 79 filmes, 50 curtas e 29 longas metragens do cinema independente vão animar a cidade. Site oficial aqui.

   VI - Apple lança iPod mini no mercado português - Agora sim, chega a Portugal o mini leitor de mp3, com capacidade para 4gb de música, ao preço de 265,70 euros. Detalhes e fotos do produto aqui.

   VII - Portugal tem poluição acima dos limites legais - Ouviu, Sr. Nobre Guedes? Esperamos ouvir alguma coisa de si.

   VIII - Searchsite: A9 bowls a Googly - Ontem falei aqui dum Browser alternativo ao IE. hoje, dum novo motor de busca que está a dar que falar. Trata-se do A9 , que tem uma série de funcionalidades novas. Podem ver o exemplo de uma busca que eu fiz aqui. Vale mesmo a pena experimentar.


Para reflectir

A Crise Paga por Todos , por Manuel Carvalho

Pode-se afirmar, sem margem para erro, que mais uma vez será a classe média a pagar a factura maior da crise; pode-se recear que os poderosos "lobbies" que gravitam em torno do Orçamento do Estado tudo farão para tornar vãs as palavras do ministro; pode-se, enfim, suspeitar que, depois das promessas, Portugal continuará a ser um paraíso fiscal para os relapsos e os que se alimentam da fraude fiscal. Mas, por muito que a prática dos outros anos legitime todas as inquietações, Bagão merece o benefício da dúvida. Porque falou claro, sem subterfúgios nem redundâncias quando prometeu uma maior equidade na repartição dos custos da crise. Se cumprir, deixará de haver lugar para a pergunta "então, e os outros?", que legitima todas as críticas e justifica todas as suspeições.

Nota: a questão é mesmo essa, ainda não cumpriu. Não é por acaso que Bagão não aponta datas nem detalhes para as suas promessas. Não é por acaso que as divulga na televisão (duas vezes) e antes de uma eleições. Eu prefiro ver para crer, e não crer até talvez ver.

(576) Fuga ao Fisco



   Segundo a administração fiscal, a contribuição para o IRS para este tipo de profissionais foi, em 2003, de 9621 milhões de euros em 2003 milhões de euros. Estes declararam menos 8% de rendimentos que no ano anterior, pelo que se conclui que "existe uma crescente ocultação de rendimentos que deixam de entrar nos cofres do Estado todos os anos". Qual deveria ser o verdadeiro valor a entrar? Cerca de três vezes mais - "O presidente dos Técnicos Oficiais de Contas, Domingues Azevedo, diz que a sua contribuição para o IRS devia de ser de 15 por cento da receita fiscal" (foi de 6%). Três vezes 9621 milhões de euros.

   Mesmo tendo em conta que a recessão também afecta estes trabalhadores, digamos que a receita deveria ser o dobro. Quando não podia ter sido poupado em termos de vendas de património para conter o défice? O nível de sacrifícios exigidos aos Portugueses teria sido tão alto? Será que teríamos tido a pior situação económica de toda a UE? Como diz Domingos Azevedo, "o sistema não é justo, nem transparente, e que urge intensificar as inspecções." Não é preciso ser especialista para perceber isto. Basta ver que o rendimento médio declarado por estes profissionais foi de 656€ (!). A minha pergunta é: por que razão não é esta uma prioridade deste Governo?

(575) Páginas Soltas


   "O que importa se um grosseiro de um capitão me manda pegar na vassoura e varrer o convés? Que peso poderá ter tal indignidade na balança do Novo Testamento? Ter-me-á o arcanjo Gabriel em menor conta pelo simples facto de eu me ter prontificado a obedecer respeitosamente ao grosseirão naquele preciso momento? Qual de nós não se deixa escravizar? Digam-me lá. Pois então, por mais que os nossos capitães me façam andar num virote, por mais que me empurrem e maltratem, tenho a consolação de saber que é mesmo assim; que toda a gente, de uma forma ou de outra, passa pelo mesmo, do ponto de vista físico quer metafísico; e o empurrão universal vai passando de homem em homem sem que venha mal ao mundo por isso."


   Herman Melville, Moby Dick, pág. 9

(574) Bom Dia



© Keith Johnson

(573) Good Night Tease


Já repararam que isto



...acabou?

   Ps. dedicado ao Boss, ao João Zun e ao Tiago, verdadeiros animadores do Bar Haloscan cá do bairro. Ah, e ao regressado Pagan! :)


   Pps. A fotografia são eles na tropa. :>

(572) Visto - "The Village"


   Numa vila não nomeada e não localizada, uma pequena comunidade a fazer lembrar uma seita religiosa ortodoxa vive em plena felicidade. Com uma excepção: estão rodeados por uma floresta habitada por criaturas mortíferas. O isolamento é total e tácito - nem os habitantes entram na floresta, nem os monstros penetram na vila. Tudo está bem até um dia, e sim, adivinharam, tem que ver com a violação das fronteiras. O resto até podia ser previsível, mas todos os filmes de Shyamalan têm uma obsessão pelo twist e "The Village" não é excepção.



   Este filme tem sido mal recebido nos EUA por várias razões. Alguns dizem que é aborrecido (os fãs de "Sexto Sentido" e do infeliz "Signs"), outros que vive apenas à custa do twist final, desbaratando o desenvolvimento das personagens e da narrativa, um pouco como o "Spider" de Cronenberg (estes são os admiradores de "Unbreakable"). Na minha opinião, os últimos têm um pouco mais de razão, embora não toda. É que se não há um investimento total na motivação das personagens (porque isso estragaria o final), não deixa de haver uma grande competência a todos os níveis. O filme segue a lógica do género "terror normal", mas Shyamalan does it better, especialmente na maneira como filma as cenas, nos pormenores dos cenários e da banda sonora. Preparem-se para uns valentes sustos. Por outro lado, este será de todos os seus trabalhos, aquele com a premissa mais difícil (e lá está, que pena não ser desenvolvida no final), e isso desagradará a muitos. Durante todo o filme, há um equilíbrio entre o mostrado e o oculto (é que também há uma obsessão por mostrar os segredos), que não havia em "Signs", mesmo que o demore um pouco a recuperar depois da primeira grande revelação. Ainda não há contenção que chegue. Em suma, um filme interessante e divertido, bem dirigido e bastante acima da média.

Ps. [Possível minor spoiler]. Uma só pista, reparem no sotaque das personagens. E mais não digo.

   The Village de M. Night Shyamalan - **** (Muito Bom)

   Site Oficial
   Data de estreia: 23 de Setembro.

sexta-feira, setembro 17, 2004

(571) Bagão Félix


   ...deu uma entrevista ontem à RTP1. Alguns pontos de análise:

      1 - O Governo televisivo - Bagão (e não só) segue o exemplo do PM. Cada vez que faz um movimento, tem de o tornar o mais bombástico possível em termos mediáticos. Conferências de imprensa, discursos retalhados para títulos de imprensa, entrevistas, the works. Curiosamente, gostam pouco do debate. Praticamente sempre que são chamados ao Parlamento os Ministro da coligação esquivam-se a aparecer.

      2 - A cultura da distorção da verdade - O imperativo de contenção financeira de ontem já não o é. Sabemos que não é da retoma: o governo não conseguiu reduzir o défice real nem a despesa pública e pretende dar aumentos de salários pouco acima de zero. Na prática, fica o amargo de boca de nada ter servido. Agora vai-se gastar mais dinheiro por razões eleitorais (estejam atentos ao financiamento das autarquias).

      3 - As soluções fáceis - O discurso do governo é o de culpar a herança pesada do Governo Socialista. Ainda há dias Guilherme Silva afirmou que não é correcto deixar as contas para os outros pagarem. O que pretende Bagão fazer? Endividar o estado para pagar as contas. E continua a venda de património.

      4 - A falsa inocência - Bagão diz que a reforma de Mira Amaral é "obscena" e que é uma lei interna da CGD. Fala como se o Governo não tivesse nada que ver com o assunto, como se não se tratasse duma empresa pública. Bagão está no governo há mais de 2 anos.

      5 - A promessa do costume - Falou do combate ao fisco e diz que terá de se caminhar para uma solução de abandono do sigilo fiscal. De novo um anúncio publicitário pré-eleitoral, mas com os ingredientes do costume: não sabemos como nem quando. Depois é fácil não cumprir.

(570) No Barbeiro


   ...comprovei mais uma vez que há "diferenças entre os sexos" que são verdadeiras farsas. Girls, trust me: os homens no barbeiro são tão bisbilhoteiros e má língua como a pior das mulheres neste campo.

   Também tive o meu momento salazarento do dia enquanto cortava o cabelo. Diz um freguês: "passaram ali no restaurante uns marroquinos, pretos e ucranianos e ele disse-lhes logo que não queria nada daquilo ali (gargalhada sonora)". Um barbeiro no campo é outra coisa.

(569) [Novidade] Sob Escuta


   Pressure Chief - Cake



   Já não editavam nada há uns anos e as saudades eram muitas. "Pressure Chief" é um regresso em plena força, com músicas que não ficam nada a dever aos maiores sucessos desta estranha banda. O som continua o mesmo de sempre, uma espécie de "country experimental", com devaneios pelo funk e pela pop. Em termos globais o álbum é um pouco desiquilibrado e é pequeno, mas não deixa de ser de grande valor. Nas lojas a 06 de Outubro (o single "No Phone" já toca na rádio).

Afinidades: Beck.
Para descobrir: "Wheels".

(568) História das espécies parlamentares



Luís Afonso

(567) Blogo Noticioso


   I - 6475 escolas por abrir no primeiro dia do ano lectivo - Duas notas: ouvi um deputado da coligação dizer no Parlamento que 60 das escolas abriram em pleno. Como é permitido a um deputado mentir assim?; Santana Lopes diz ""A culpa, de facto, não é deste Governo", "os responsáveis pelo sistema (que falhou) estão em funções desde 1996". A culpa é deste governo que, tal como o anterior, não conseguiu ainda resolver a situação. E foi o anterior que encomendou este programa informático (bajulando-se grandemente) e não o testou. Alguém terá de ser responsabilizado. Não venham dizer que a culpa é novamente da borboleta a bater asas, ou do avô de Guterres.

   II - República Sela Reconhecimento da História a Manuel de Arriaga - "Se podemos discordar (...) de uma ou outra decisão do presidente Arriaga, não podemos pôr em causa ter sido ele sempre movido pelo desejo de servir o país e a República". Ok, Sampaio começa a comparar-se com figuras históricas. O grau de desespero até teria graça, não fosse tão grave. Alguém duvida que o PR está arrependido e atormentado pela sua decisão?

   III - CIA Admite Cenário de guerra civil no Iraque - Para que serve a divulgação deste relatório, cujo cenário mais optimista (de três), ainda prevê um Iraque instável a todos os níveis daqui a dois anos? Para que a Administração Bush prossiga na sua nova estratégia: colocar mais baixa a fasquia dos objectivos iraquianos. Tão baixos, que quando abandonarem o caos, dirão que o sucesso é pleno.

   IV - Portugal tem uma das taxas mais baixas de faltas por doença - É um mito que cai. Se nisto somos dos melhores da Europa, também podemos vir a ser na produtividade. Chega de diferenças congénitas.

   V - Comentários aos Jogos Olímpicos com má nota - O que a blogsfera, Resistente incluído, se fartou de berrar, chega agora aos jornais. Esperemos que na próximas grandes competições alguma coisa mude.

   VI - MICROSOFT IE LOSING THE EDGE - O browser Mozilla Firefox está a ganhar uma importante posição de mercado. Eu também uso (embora mantenha o Internet Explorer) e recomendo. Podem fazer download aqui.
         

   VII - Woody Allen abre el Festival de San Sebastián con «Melinda y Melinda» - O novo filme de Woody Allen abre hoje este festival de cinema, que conta ainda com outros títulos de interesse em estreia.

Para Reflectir


A Barafunda, por José Manuel Fernandes

É sabido que em muitas escolas que ficam fora dos grandes centros são instáveis e os professores passam por lá, não ficam lá. Acredita-se que isso é mau para as escolas e para os alunos. Mas não se dá nenhum passo para promover o enraizamento dos docentes nas comunidades locais. Se as autarquias tivessem a responsabilidade de garantir que os quadros das suas escolas estavam preenchidos, provavelmente encontrariam formas de estimular os professores, quer facilitando o acesso à habitação, quer diferenciando os seus salários.

Nota: estou de acordo com JMF, especialmente quando fala de "transferir a gestão dos quadros docentes da administração central para a administração local." A meu ver, isto deveria ser feito por entidades regionais reguladoras, em contacto com o poder central e com a escola. Aqui sim, poderiam entrar gestores que não fossem professores. Contudo, JMF não tem razão quando fala da "iliteracia" informática como parte do problema das colocações. É verdade que esta existe, mas as candidaturas informáticas foram uma pequena parte do total, e os erros destas foram substancialmente de carácter endógeno.

«Madonna, vai morrer longe», por Clara Ferreira Alves

Manipulação sentimental perigosa e lucrativa, e o certo é que depois do 11/9 Madonna deixou cair o seu videoclip e quando Bush invadiu o Iraque ela escusou-se de emitir declarações políticas. Só quando Bush e o Iraque deram para o torto, regressou a militância. Fora de ordem e de horas. E quanto ao dinheiro para as causas, zero, a não ser a israelita, desde que Madonna trocou o catolicismo pelo judaísmo cabalístico. O que não a impediu de cancelar os concertos de Reinvent Yourself em Israel, que aquilo anda em desassossego.
A meia idade de Madonna recomenda-se, temos uma Marlene Dietrich em perspectiva, mas, a iconoclastia foi-se. Um negócio ficou. Eu não gosto de Madonna a cantar Imagine de John Lennon, formulação piegas do amor pela humanidade.


Frase do dia


1 - (...)A Thorá, o Corão ou os Evangelhos podem ser a nossa lei a título privado, mas não há que impô-la a nível do espaço público. - Esther Mucznick, no seu artigo de hoje do Público. Pena é que esta frase seja totalmente contraditória com a actuação política de Israel (e dos terroristas islâmicos) e da própria colunista.

2 - "Lamentamos o que se passou em Beslan, mas é a guerra". - Chamil Bassaiev, chefe de guerra tchetcheno que reivindicou o atentado de Beslan. O que se passou poderá de facto ser a guerra no seu pior, mas é ao mesmo tempo o grau zero da humanidade. Bassaiev é um criminoso para todo o sempre e não tem desculpas, nem o direito de reclamar atenuantes.

(566) Bom Dia


   
   William Lesch

(565) Poesia Sms


Toc-toc

É a morte
Vem outro dia
Ou leva o Pedro
Que na cama agonia
Ou a Ana
Ou a Maria
Toc-toc
Mas que azar
Ainda não estou penteada
Para tu me vires buscar (160 caracteres)

Sara Monteiro

(564) Estou chocado


   ...com esta notícia: "Reforma milionária" para Mira Amaral. Este ministro de Cavaco Silva vai auferir uma reforma de 18.0000€, depois de trabalhar 21 meses à frente da CGD. Havendo leis destas, é vergonhoso que um cidadão tenha de trabalhar durante várias décadas para receber uma ínfima parte da pensão de Mira Amaral. É duplamente vergonhoso que responsáveis políticos (que permitem a existência destas leis), peçam sacrifícios sociais à nação. Este tipo de situações minam a democracia e o sistema político directamente nas suas raízes, alimentando a cultura das cunhas, dos compadrios e estimulando a mediocridade da classe política. Inaceitável.

quinta-feira, setembro 16, 2004

(563) Fascistas?


   O dicionário diz-nos:

   "Ideologia e sistema político e social totalitário introduzido em Itália por Mussolini, cujo emblema era o feixe (fascio) de varas usado pelos antigos lictores romanos, significando a união nacionalista, e que se caracterizou por um controlo estatal da maior parte das actividades, pela concentração do poder na pessoa do ditador e por um nacionalismo exacerbado."

   Não há aqui uma diferença em relação à nossa direita? Surge-me esta dúvida a propósito deste texto de Miguel Vale de Almeida, onde este defende que os actuais governantes são fascistas (apesar de explicar que «"Fascismo" é uma palavra com dois usos. O primeiro é da ciência política. O segundo é do senso-comum: "fascista" usou-se para referir não uma ideologia política concreta ou um regime, mas sim um agregado de coisas: autoritarismo, conservadorismo, moralismo, etc.»). Mesmo como "senso-comum", a questão ainda me parece levantar problemas.


    Eu creio que há uma certa distância. A actual direita não defende o fim da democracia e a violência que utiliza (sob todas as formas) está controlada pelas leis. Em adição, parece-me uma desfeita às vítimas de regimes totalitários usarmos a palavra assim. É como se estivéssemos a banalizar a vida sob controlo de Hitler, Mussolini ou Salazar. Aqueles com mais idade sabem que foi diferente e a argumentação de quem usa a palavra passa por despropositada e leviana. O que vai acontecendo entre nós é inédito e gravíssimo. Exige confrontação cívica. Mesmo assim, há uma diferença, e em política, as palavras são importantes. O pior efeito do exagero é quem está a ouvir não levar o perigo a sério.

Porém, a enciclopédia enumera as seguintes características do fascismo:

   1 - exalts nation and sometimes race above the individual,
   2 - uses violence and modern techniques of propaganda and censorship to forcibly suppress political opposition,
   3 - engages in severe economic and social regimentation.


   Aqui as coisas complicam-se. De uma forma diluída, podemos dizer que o PP tem um discurso que incorpora estas características. São estes os seus objectivos, mesmo que dentro do quadro democrático. Portanto, em que ficamos? A meu ver, movimentações deste tipo tem de ser denunciadas e analogia com o fascismo tem de ser realçada. Contudo, o mais importante é lembrar o perigo de se estar a caminhar para lá, se não for exercido um controle cívico, do que dizer que já estamos lá.

(562) Provocações


   por imagem...

   ...e citação:

PEQUENO DIÁLOGO (LONGE DO PAVILHÃO ATLÂNTICO)
— Xi, pá. Já me leste isto?
— O quê?
— Parece que a Madonna trouxe um camião TIR só para a roupa dela.
— Não me espanta. Já a música cabe toda num Mini...


by José Mário Silva

Nota: isto foi só para brincar um bocado com a euforia à volta do tema na blogosfera - que foi em peso aos concertos. Eu também teria ido, mas estou à espera da retoma :)

(561) começa HOJE


   

   A programação para hoje é a seguinte:

Cinema Quarteto

Sala 1 - 22h00

BLIND SPOT de Stephan Woloszczuk (91', EUA, 2002)

Sala 2 - 22h00

CON QUÉ LA LAVARÉ de María Trénor (11', Espanha, 2003)

9 DEAD GAY GUYS de Lab Ky Mo (79', Reino Unido, 2002)


Sala 3 - 22h00

PRIVATE DIARY de Pedro Usabiaga (56', Espanha, Alemanha, 2003)

Sala 4 - 22h00

CHRISTOPHER & GORDY de Frank Mosvold e Tom Petter Hansen (5', Noruega, 2004)

STEVEN'S SIN de Linda Tarryk (15', EUA, 2003)

NICK NAME AND THE NORMALS de Howard Skora (75', EUA, 2003)



A actriz San Juan será homenageada numa conferência no dia 22, na Fnac do Chiado, com a presença de MVA.

   Podem encontrar o resto aqui [em .pdf]. Recomendo ainda a leitura desta notícia do JN.

(560) Blogo Noticioso


   I - Women on Waves: Bruxelas pede explicações sobre proibição do barco holandês - O "bom aluno" português vai ser chamado a explicar os "verdadeiros motivos" de tudo o que se passou. Sim, ou julgavam que a UE acreditava em Paulo Portas?

   II - Narciso Miranda diz que tem obras "para outros mandatos" - É uma mistura entre Alberto João Jardim ("Tenho obras, muitas obras, para outros mandatos") e Valentim Loureiro ("Podem ter a certeza de que vou falar, provavelmente a breve prazo. E tenho muito que falar"). Que pena haver autarcas destes no PS. E que pena ainda maior bastar um discurso destes para se ser eleito para uma Câmara Municipal.

   III - " «A infância não é um tempo dourado» - Pelo que tenho ouvido e pelo trailer, André Valente promete. Estreia hoje.

         

   IV - Guilherme Silva defende extinção da CNE - Tão chato ter alguém a vigiar as eleições. Aliás, não era Santana Lopes que dizia que as eleições eram uma chatice?

   V - Retoma da economia portuguesa vai ser lenta - Um estudo da OCDE que nos ajuda a explicar as nossas finanças e o que tem de ser feito para inverter a má situação.

   VI - Thorpe flattered, but not gay - Ian Thorpe nega (e na realidade, ninguém tem nada a ver com o assunto), mas deixa uma série de declarações muito sensatas sobre o assunto. Heterossexuais ou não, era óptimo que todas as figuras públicas falassem assim: 'It is kind of not a minority group, but a group of people that there is a distinguishing factor that we don't have in common, and they respect and admire what I do and I think it is a very big compliment.'


Para reflectir


De Matosinhos para o País, por Manuel Carvalho

A história de Narciso e Seabra mostra-nos que as elites locais dos partidos precisam de ar fresco, de uma nova geração que seja capaz de assumir um novo ciclo de desenvolvimento das autarquias, depois da etapa das infra-estruturas e da dependência financeira das licenças de construção. Mas querer ver neste exemplo apenas uma prova da obsolescência da política autárquica é um erro; sendo a ponta do icebergue, o problema reclama uma alteração profunda da articulação entre os partidos e o poder político, seja nas vilas do interior, seja no coração da capital.

Media-esfera, Blogosfera e Atmosfera, por Pacheco Pereira

Excluam-se os blogues e a comunicação social seria diferente. Não porque os blogues sejam lidos por muita gente, mas sim porque são lidos pela gente certa. Os blogues são escritos por uma elite para uma elite, são escritos por estudantes, literatos, políticos, cientistas, investigadores, jornalistas, na maioria dos casos jovens e no início de carreira, e são lidos pelos mesmos grupos sociais e profissionais dos que os escrevem. (...)
Esta circulação rica e diversificada, em tempo quase real, constrói um tecido mais complexo à volta de notícias e interpretações e, em consequência, resulta muito crítica dos media tradicionais. É nos blogues, e na sua diversidade política e cultural, que se encontram as críticas muito duras à manipulação informativa que são impossíveis de fazer nos media.


Nota: tudo verdade, mas há uma constatação deliciosa: ao que o vício chega. :)

(559) O comentário mais ouvido...




   ...no dia de regresso às aulas. E logo de seguida para casa, porque ainda não há professores para todos.

(558) As eleições norte-americanas - versão cantada


   O PerDido encontrou ("no pun intended") este link e teve a cortesia de mo enviar por email. Demora um pouco a carregar, mas vale a pena ver. Trata-se duma paródia aos argumentos (baixos) que têm sido usados por ambas as campanhas através dos media. A ideia que a brincadeira quer transmitir (que apesar da bipolarização não há assim tantas diferenças entre Bush e Kerry), tem eco neste cartaz, visto no Barnabé.




   Depois de ver a imagem e este post do Swerve Left, deixei um comentário que volto a repetir aqui: será que nós, sendo norte-americanos, votaríamos em Kerry? Não apoiaríamos em vez disso Nader ou o Green Party? Por aqui, se calhar daqui a algum tempo teremos de optar entre Santana e Sócrates (ressalvando-se as devidas diferenças entre as situações).

(557) A Boa Perplexidade XXL


   No post 547 informei que a discussão deste post ia em 17 comentários. Neste momento já vai em 44! Vale a pena passar por .

(556) Good Night Post


   

Stephen DiRado

quarta-feira, setembro 15, 2004

(555) Pergunta & Resposta II - Pedro Ribeiro


   Desta feita coloquei uma questão ao jornalista do Público Pedro Ribeiro, correspondente nos EUA e autor do blog "Presidenciais americanas" que tem providenciado verdadeiro serviço público, numa altura em que o mundo está mais atento que nunca ao desenrolar destas eleições. Em vez de me enviar uma resposta pelo email, Pedro Ribeiro optou por fazer um post no blog, com uma resposta muito mais desenvolvida do que eu esperaria. Assim, seria indecoroso copiar todo o post, pelo que me limito a transcrever algumas passagens. O resto, porém, é muito interessante. Obrigado mais uma vez ao jornalista pela colaboração.

   PERGUNTA

   "Tenho ainda uma questão para lhe colocar, ao nível da que outro leitor já colocou. Li uma notícia que dizia "Gay GOP Group Won't Endorse Bush Reelection". Fiquei supreendido, pois por cá estas associações costumam associar-se à esquerda, e não poucas vezes a uma esquerda bem distante do próprio centro ideológico.
   Gostaria então saber se este grupo tem uma expressão forte dentro do eleitorado, se há outros grupos habitualmente conotados com a esquerda dentro do partido Republicano (por exemplo, os "verdes" ou grupos feministas), e em que moldes assenta o seu apoio a candidatos de direita."

   RESPOSTA

   (...)Os partidos na América têm uma estrutura muito diferente dos europeus. Mais que partidos, são coligações. Reflectem dentro de si uma enorme variedade de ideologias e interesses geográficos, demográficos e culturais.
   (...)os membros dos Log Cabin Republicans são “gay”, mas minimizam o lado mais conservador em termos sociais do partido, porque as suas ideias económicas ou de defesa estão mais em sintonia com a doutrina republicana.
   Quanto à segunda parte da questão de Nuno Pinho — sim, há outros grupos tradicionalmente encarados como “de esquerda” que votam republicano.
   Por exemplo, os Republicans for Choice são a favor do direito ao aborto. Ann Stone, porta-voz do grupo, disse ao PÚBLICO durante a convenção republicana estar desiludida com a posição inflexivelmente “pro-life” do seu partido.
   Enfim, há que notar também que os democratas também são uma “grande tenda”, que inclui posições muito diversificadas. Não é preciso ir buscar o senador Zell Miller para descobrir democratas à direita — há, por exemplo, os democratas anti-aborto.

[ler resposta completa]

Nota: sobre a notícia que refiro na questão, o Renas tem um post a desenvolver o assunto.

(554) Respostas contra o Populismo


   1 - Devem os ricos pagar mais que os pobres no Sistema Nacional de Saúde ou noutro serviço social?

      Não. Aqueles que mais rendimentos têm já pagam mais na sua declaração de impostos (contribuindo assim para financiar o serviço). O SNS é um serviço universal e tendencialmente gratuito, segundo a Constituição.

   2 - Sabendo que a actual conjuntura demográfica e financeira coloca tremenda pressão perante os benefícios sociais até agora vigentes, deve passar a ser o utilizador a pagar os serviços de que usufrui?

      Não, a não ser em último caso, ou seja, para salvaguardar a própria sobrevivência dos benefícios . Primeiro há que garantir que todos contribuem o que devem nos impostos sobre rendimentos (combate à evasão fiscal); segundo, é necessário diminuir as despesas e optimizar estruturas. Estas medidas não dependem dos cidadãos, mas sim do Governo, e devem ser feitas de tal maneira que possam ser escrutinadas pelos utentes.

(553) Visto


   Wanda, de Barbara Loden



   Este filme é uma reposição e estreia entre nós. Original de 1971, foi realizado pela mulher do famoso realizador Elia kazan e completamente ignorado. "Wanda" é a história de uma mulher da working class que foge da sua vida desoladora, deixando para trás os filhos e o marido. Mais tarde, encontrará um bandido que lhe proporcionará algo para preencher a sua vida. Ao mesmo tempo heroína face à dura que enfrenta e outras vezes amoral e egoísta, Wanda é uma personagem enigmática, pouco apelativa, mas tenaz. É assim que conquista Mr. Davis e consegue escapar para uma outra vida, pelo menos até que...

   Este filme é sobretudo uma experiência cinematográfica avant-la-lettre. Basta dizer que é parecido com "Bufallo 66", o aclamado filme underground de Vincent Gallo, mas 20 anos anterior a este. Não é uma obra-prima. Sofre de limitações de orçamento (o filme terá sido executado por meia dúzia de pessoas) e nem sempre prima pela qualidade de direcção ou actuação dos personagens. Vale sobretudo para cinéfilos de linha dura interessados num pequeno e arrojando filme dos anos 70, em que a ambiguidade da protagonista e o olhar "moderno" da realizadora (na verdade são a mesma pessoa) são as grandes valias do filme.

   Wanda, de Barbara Loden *** estrelitas (bom)

(552) [Novidade] Sob Escuta


   Antics - Interpol



Para descobrir: "Narc"
Afinidades: Franz Ferdinand, Joy Division

   "Antics" é melhor que o hit de estreia "Turn on the Bright Lights" e estará nas lojas dia 28 de Setembro.

(551) Blogo Noticioso


   I - Manuel Alegre Diz Que a Direita Quer Que Ganhe Sócrates - E quer (basta lembrar as últimas declarações de Marcelo Rebelo de Sousa). Sócrates é uma figura mais próxima do PSD em termos mediáticos e ideológicos, pelo que este antecipa vencer um combate travado no seu próprio terreno. [comentar]

   II - Turquia retira criminalização do adultério - A meu ver, este é o tipo de acontecimentos que justificam a introdução da Turquia ( a médio prazo) na UE. As pressões diplomáticas farão com que a democracia melhore para dezenas de milhões de pessoas e, por outro lado, a Turquia pode ser a chave para que o conflito entre mundo muçulmano e ocidental siga uma via pacífica.[comentar]

   III - Já São Nove Os Sem-abrigo Agredidos Até à Morte em São Paulo - Uma notícia que tem passado despercebida mas das mais horríveis dos últimos tempos. Demonstra bem ao ponto que pode chegar a indiferência social perante os sem-abrigo.[comentar]

   IV - Conseguirão Os Astronautas Hibernar nas Viagens pelo Espaço? - Alguém duvida que isto será realidade?[comentar]

   V - Aborto ilegal levou 2073 mulheres ao hospital desde 1993 - Para quem acha que não existe problemas com a lei actual.[comentar]

         
   VI - Luís Delgado é o novo presidente executivo da Lusomundo Media - Este órgão vai ditar a linha editiorial de todos os órgãos de informação do grupo. Digam o que disserem, é uma medida política que vai contribuir mais um pouco para o controlo partidário dos meios de comunicação. Com este assustador neoliberal a comandar as operações, é caso para dizer "Berluscónia", here we go.[comentar]

   VII - Recorde de nomeações para 'Angels in America' - 21 nomeações. Merecidas. Pena é que em Portugal a televisão de qualidade em prime-time continue a ser só para as elites (o mesmo comentário serve para os restantes nomeados).[comentar]

   VIII - 50 países mais pobres vão crescer 228% até 2050 - Conheça o ambicioso Plano do Cairo (assinado por 174 países) e as razões porque falhou em "possibilitar o desenvolvimento sustentado, o equilíbrio entre a população e os recursos."
[comentar]

Para reflectir


[comentar]

Para reflectir


Num país onde ser «light» é o máximo como é que se pode resolver questões «hard» como a pobreza? - Fernando Sobral, na sua crónica do Jornal de Negócios.
[comentar]

(550) Narciso Miranda e Manuel Seabra [actualizado]


   ...os responsáveis pela vergonha política da lota de Matosinhos aquando das eleições europeias (no dia da morte de Sousa Franco), foram punidos pela Comissão Política do PS. Assim, não se poderão candidatar pelo partido às próximas autárquicas. Parece-me uma decisão positiva, embora devesse ser ainda mais dura. Será interessante verificar as reacções dos candidatos a secretário-geral, especialmente a de José Sócrates, acusado de complacência com o "aparelhismo" vigente no partido.


Adenda - José Sócrates: "Estou solidário com a decisão acertada e de bom senso que o país esperava que o PS tomasse. Matosinhos precisava de virar a página e foi a decisão mais justa e mais sensata, pese embora os serviços prestados e o mérito dos dois camaradas. Mas o que aconteceu foi mau demais" [via Lusa]

(548) Depois da Praia


   Ao contrário do que o Dinis pedia, acabei por ver The Beach (má publicidade é...). Foram duas as razões: gosto do realizador e era o filme dele que me faltava ver. A seguir ao filme passavam as fantásticas séries West Wing (Os Homens do Presidente) e Will & Grace. O filme passou-se bem. Nota-se que há um livro poderoso por trás e isso ajuda. Gosto do estilo do realizador (embora se haja demasiados tiques de Hollywood aqui) e obviamente tudo é puxado e adocicado para o que menos interessa (para DiCaprio, que é um actor mediano; para as histórias de amor, que são chouriços, etc.). Toda a questão central parece ficar subdesenvolvida. Mas sinceramente, não acho que seja o desastre que tinha ouvido falar. Entreteve bem e, aqui e ali, Danny Boyle ainda foi capaz de uns golpes de rins câmara.



The Beach, de Danny Boyle - ** estrelitas (razoável)


   Depois da praia, descobri um novo canal. Sem intervalos enormes e com direito a diversão de qualidade. Depois das duas, a TVI é uma televisão de referência.

(549) Bom Dia



© Missy Gaido Allen

(547) Boas Perplexidades*


   Faço eu um post duplo sobre dois livros que li e pensei logo "convenhamos, isto não interessa a ninguém". Pois bem, quando dei por ela a discussão do mesmo já ia em 17 comentários, devido a uma conversa literária entre o Tiago e Boss. Iliteracia, toma!

   * No mesmo sentido da expressão "boa dor de cabeça" de Bobby Robson.

terça-feira, setembro 14, 2004

(546) Números da Educação [actualizado]


   Segundo um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE):

      O excesso de professores - 60,6 docentes por cada mil alunos (média dos 30 países: 72,9)

      Os gastos excessivos com os salários - 15.873 euros por ano em média para os professores primários (média dos 30 países: 18.702.)

      A carreira compensadora - 22.333 euros de rendimentos por ano após 15 anos de experiência (média dos 30 países: 25.604 euros)

      Os gastos excessivos - 4,4% do PIB para a educação (média dos trinta países: 5,3%) / 4163 euros gastos por aluno (média dos 30 países: 4979)


Adenda: eis a resposta às perguntas dos comentadores do post 537:


Site Meter
A minha fotografia
Nome:
Localização: Portugal
  • Livro de Reclamações:

  • nunopinho(AT)vianw.pt

    (Substituir (AT) por @)